Os “sem-noção” invadem o futebol brasileiro

A terça-feira (26) foi amarga para o jogador Fellipe Bastos, do Vasco. Ele recebeu punição do Tribunal de Justiça Desportiva do Rio – suspensão por três jogos – em razão de um vídeo de cunho homofóbico após a vitória de seu time contra o Fluminense, no dia 17 de fevereiro. Na comemoração pelo título da Taça Guanabara, ainda no gramado Maracanã, ele entoou um canto no qual repetia que o Flu era um “time de v.”. Depois da repercussão do seu gesto, gravou um vídeo se desculpando, revela o Terra.

Diante da polêmica, o clube tricolor se manifestou com elegância em suas redes sociais, criticando a atitude de Fellipe Bastos: “Sexualidade é diversidade. A intolerância não pode ter mais espaço na nossa sociedade. O Fluminense é um time de todos, como todo clube deveria ser. E lamenta que alguns ainda deem lugar para o preconceito.”

Mas o incidente com o volante vascaíno não foi isolado. Na segunda-feira (25), o diretor de Marketing do Corinthians, Luís Paulo Rosenberg, pediu demissão após o mal-estar gerado no clube com uma declaração sua veiculada na semana passada. Durante entrevista à “ESPN Brasil”, ele comparou os naming rights da Arena Corinthians a uma mulher com o vírus da Aids. Mais de 50 conselheiros do clube exigiram sua saída depois disso.

Outra que se excedeu, sem medir as palavras, foi a conselheira do Flamengo, Marion Kaplan. Ao protestar contra o espaço destinado para o time da ‘League of Legends’ do clube, ela comparou os adeptos da prática a autistas: “Um nerd que fica horas na frente de uma tela, praticando algo que não é atividade física nem cultural. Não é ao ar livre e não serve para nada. Ou seja, se eu falar “nerd autista da pior espécie” ficou mais claro, não?”

Nessa terça (26), a conselheira se desculpou com os autistas, mas, ainda assim, deve sofrer alguma sanção do Flamengo.

No início de fevereiro, quem perdeu a oportunidade de ficar calado foi o meia Thiago Neves, do Cruzeiro. Ele usou sua conta numa rede social para provocar o Atlético-MG. Postou em seus ‘stories’ a foto da Cidade do Galo – centro de treinamento do clube – onde o escudo do Atlético aparecia em uma área íngreme de terra, semelhante a uma barragem, com a seguinte legenda: “Barragem que já caiu uma vez assusta moradores de Vespasiano (cidade mineira que abriga o CT) e região. Atenção aí, pessoal!!!.”

A ‘piada’ de Thiago Neves foi publicada dez dias depois do rompimento da barragem de Brumadinho (MG), acidente que custou a vida de mais de 300 pessoas. Ele também se desculpou em seguida, admitindo a “postagem de mau gosto.”

27/02/2019

(Visited 1 times, 1 visits today)